10 de ago de 2016

Brinquedos na Escola: Educativos / Pedagógicos

Brinquedos Educativos / Pedagógicos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

O brinquedo educativo é um recurso que ensina, desenvolve de forma prazerosa muitas habilidades infantis. 
O brinquedo educativo assume a função lúdica e educativa.
Jogos com regras necessitam de acompanhamento até que as crianças entendam e utilizem as regras para jogar. Muitas vezes, um jogo não dá certo na turma porque não houve um preparo dessa atividade. Pegar as peças colocar sobre uma mesa e achar que as crianças vão reconhecer a utilização do jogo, pode ser bem desastroso. Se queremos utilizar esse recurso, é preciso paciência e perseverança, e um bom planeamento.

Ao planejar o uso de brinquedos, é importante:

- Ensinar às crianças a brincar: como manusear, cuidados, possibilidades de uso, guardando em local adequado após o uso;

- Ter uma lista de combinados sobre o uso dos brinquedos na sala;

- Há jogos com regras bem específicas, que devem ser ensinadas pela professora, como por exemplo: dominó, jogo da memória, quebra-cabeça, etc;

- Ter potes, caixas e vasilhas (com tampa), identificados, para que os brinquedos fiquem protegidos da poeira;

- Os brinquedos seguem uma rotina: escolher, conhecer, brincar, arrumar e guardar. Ao trocar de mesa, na escolha de outra atividade, a criança deverá arrumar o brinquedo (não deixar nada espalhado);

- Diversificar os brinquedos: a escolha dos brinquedos pode ser semanal, para que todos possam brincar com o mesmo brinquedo ao longo da semana;

- Ao escolher os brinquedos, a professora deverá ter em seu planejamento quais habilidades e conhecimentos estarão em jogo;

- Trabalhar valores como: solidariedade, amizade, respeito. Essa é uma atividade COLETIVA que necessita de intervenção e supervisão da professora;

- Peças quebradas ou danificadas devem ser descartadas. Se a criança brinca com peças danificadas entende que isso é "normal". É preciso valorizar o cuidado com o material escolar.

Os jogos mais utilizados na escola são:

QUEBRA-CABEÇA

 De fácil compreensão, pode ser jogado sozinho ou em pequenos grupos. Há oferta de jogos no mercado, porém é possível confeccioná-los utilizando imagens (revistas antigas e material impresso), plastificando com Contact® para maior durabilidade. 
O ideal é que as peças fiquem dentro de um saco, ou caixa, e a quantidade das peças seja identificada para conferência quando for necessário.
Duas regras que devem ser lembradas: não misturar as peças entre quebra-cabeças diferentes e não perder as peças.
Apresento o quebra-cabeça durante a roda de conversa, dando uma peça para cada criança, montando grandes imagens para que percebam a dinâmica do jogo. O jogo que ficará na mesa deverá ter uma imagem como apoio, para que as crianças possam observar e comparar ao montar o quebra-cabeça.
Esse recurso pode ser utilizado para trabalhar conteúdos diversos: quebra-cabeça de nomes, de palavras, de números, de animais, de plantas, etc.

 
O Tangram é um quebra-cabeça muito interessante. 
Se quiser conhecê-lo, clique aqui.


DOMINÓ

As regras são bem específicas e necessitam de maior acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
Pode ser jogado sozinho, mas é preferencialmente um jogo coletivo (grupo de até 4 pessoas). Há oferta no mercado, porém é possível confeccionar utilizando imagens, plastificando com Contact® para maior durabilidade. 
O ideal é que as peças fiquem dentro de um saco, ou caixa, e a quantidade das peças seja identificada para conferência quando for necessário.
Apresento o dominó durante a roda de conversa, dando uma peça para cada criança, para que a turma perceba a dinâmica do jogo.
Esse recurso é utilizado para trabalhar conteúdos diversos: dominó de nomes da turma, de números, de animais, de profissões, etc.


JOGO DE PERCURSO / TRILHA / DE TABULEIRO

 As regras são bem específicas e necessitam de maior acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
É um jogo coletivo (pequenos grupos). Há oferta de jogos industrializados, porém é possível confeccionar, plastificando com Contact® para maior durabilidade. 
O ideal é que as peças fiquem dentro de um saco, ou caixa.
Lembrar às crianças para não perderem as peças.
Colocar as regras impressas em algum lado do tabuleiro, como uma legenda.
Apresento a trilha durante a roda de conversa, jogando com as crianças, para que percebam a dinâmica do jogo.
Esse recurso é utilizado para trabalhar conteúdos diversos, especialmente Matemática, pois desenvolve habilidades numéricas, além de trabalhar com a resolução de problemas. 


JOGO DA MEMÓRIA

 As regras são simples (fazer o pareamento das peças) e necessitam de acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
É um jogo individual ou coletivo (pequenos grupos). Há oferta de jogos industrializados, porém é possível confeccionar as peças, plastificando com Contact® para maior durabilidade. 
O ideal é que as peças fiquem dentro de um saco, ou caixa, e a quantidade das peças seja identificada para conferência quando for necessário.
Lembrar às crianças para não perderem as peças.
Apresento durante a roda de conversa, jogando com as crianças, para que percebam a dinâmica do jogo.
Esse recurso é utilizado para trabalhar conteúdos diversos. 
É um ótimo recurso para desenvolver a memória de curto prazo.


JOGO DA VELHA

 As regras são simples e necessitam de acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
É um jogo para dupla. A maneira tradicional é utilizando papel e lápis.
Pesquisando na internet, há vários modelos desse jogo. As peças utilizadas podem ser sobre algum tema, por exemplo: animais, personagens, etc.
Apresento durante a roda de conversa, jogando com as crianças, para que percebam a dinâmica do jogo.


BOLICHE

 As regras são simples e necessitam de acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
É um jogo individual ou coletivo. As peças utilizadas podem ser confeccionadas com garrafas. Para facilitar a arrumação, marque a posição das garrafas no chão (as crianças arrumam após as jogadas).
Apresento o brinquedo durante a roda de conversa, jogando com as crianças, para que percebam a dinâmica do jogo.
Além da destreza dos movimentos, o boliche permite trabalhar com cálculo mental (adição e subtração), resolução de problemas e confecção de tabelas dos pontos de cada criança. 


BINGO

 As regras são simples e necessitam de acompanhamento no início, até que os participantes as utilizem para jogar.
É um jogo coletivo. As cartelas podem ser confeccionadas. A marcação do que é sorteado pode ser feita marcando a lápis ou com peças (tampinhas, por exemplo).
Há diversas variações para esse jogo, além do tradicional bingo de números. Pode-se fazer cartelas com diversos temas como nomes, cores, formas, cálculos, animais, etc. Bingo sonoro é bem interessante, mas é necessário ter um CD com diversos sons para a reprodução e cartelas com as representações dos sons.
Apresento o jogo durante a roda de conversa para que percebam a sua dinâmica.


JOGOS COM CARTAS

Há vários jogos com cartas que podem ser utilizados com finalidade educativa.
O jogo do MICO tem como objetivo principal a formação de pares:


Com um baralho, podemos jogar a "BATALHA":

BATALHA (este jogo faz parte da minha apostila Brincando com a Matemática )
- Material: baralho de cartas de ÁS a 10.
- Aplicação: um dos jogadores distribui (divide) todas as cartas entre todos. Cada criança arruma sua pilha com as cartas viradas para baixo, sem olhar para as faces numeradas. Os jogadores da mesa (2, 3 ou 4) viram a carta superior da sua pilha e COMPARAM os números. Aquele que virar a carta de quantidade “maior” (número maior) pega todas para si e coloca num monte à parte. Jogar até as pilhas terminarem.
- Se abrirem cartas de mesmo valor, deixar na mesa e virar as próximas do seu monte.
- Vence aquele que pegar o maior número de cartas (estratégias: comparar a altura das pilhas, contar, estimar).



TODOS OS BRINQUEDOS SÃO EDUCATIVOS?
Ivanise Meyer

É possível afirmar que se aprende algo ao brincar? Sim, sempre aprendemos algo ao brincar.
É possível basear todo planejamento em jogos e brinquedos educativos? Não. Eles são recursos, devem ser bem utilizados, mas não devem ser a única forma de trabalhar os conteúdos.
Há brinquedos que permitem muitas possibilidades, outros são mais restritos.
Nos brinquedos educativos (jogos pedagógicos) há regras, formas de brincar, o que diminui as possibilidades de imaginação e de fantasia. Pode ser divertido brincar, mas as regras são necessárias, assim como, um maior auto controle de cada criança ao brincar coletivamente.
Olhando para esses brinquedos da foto acima, posso dizer que sejam educativos? Que mensagem passam às crianças? Há regras? Quais conhecimentos serão necessários? Para qual faixa etária se destinam? São individuais ou coletivos? Todas essas perguntas devem ser feitas pelo professor quando está planejando o uso de um brinquedo com a finalidade educativa no seu fazer pedagógico.
Se uma criança não conhece as regras de como se joga dominó, quando vê as peças faz o quê? Brinca de montar, derruba sobre a mesa, junta, conta... Só não jogará "dominó", porque não houve alguém para mediar esse contato inicial com o jogo.
O que torna um brinquedo educativo (jogo pedagógico), é a intencionalidade do professor. Qualquer jogo ou brinquedo que seja utilizado como recurso precisa ser mediado pelo adulto. Uma vez que a criança compreenda seu uso, ela poderá brincar sozinha ou com seus colegas. Por isso, o professor deve planejar, sabendo quais objetivos serão atendidos com cada recurso escolhido.
Os jogos pedagógicos devem ser apresentados um de cada vez. Durante uma semana, ou mais, as crianças experimentarão, utilizarão as regras, as dúvidas serão resolvidas. Então esse jogo fará parte do seu repertório de brincadeiras.

Organizado por Ivanise Meyer®

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...