10 de ago de 2016

Brinquedos na Escola: Educativos / Pedagógicos

Brinquedos Educativos / Pedagógicos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

O brinquedo educativo é um recurso que ensina, desenvolve de forma prazerosa muitas habilidades infantis. 
O brinquedo educativo assume a função lúdica e educativa.
Jogos com regras necessitam de acompanhamento até que as crianças entendam e utilizem as regras para jogar. Muitas vezes, um jogo não dá certo na turma porque não houve um preparo dessa atividade. Pegar as peças colocar sobre uma mesa e achar que as crianças vão reconhecer a utilização do jogo, pode ser bem desastroso. Se queremos utilizar esse recurso, é preciso paciência e perseverança, e um bom planeamento.

Ao planejar o uso de brinquedos, é importante:

- Ensinar às crianças a brincar: como manusear, cuidados, possibilidades de uso, guardando em local adequado após o uso;

- Ter uma lista de combinados sobre o uso dos brinquedos na sala;

- Há jogos com regras bem específicas, que devem ser ensinadas pela professora, como por exemplo: dominó, jogo da memória, quebra-cabeça, etc;

- Ter potes, caixas e vasilhas (com tampa), identificados, para que os brinquedos fiquem protegidos da poeira;

- Os brinquedos seguem uma rotina: escolher, conhecer, brincar, arrumar e guardar. Ao trocar de mesa, na escolha de outra atividade, a criança deverá arrumar o brinquedo (não deixar nada espalhado);

- Diversificar os brinquedos: a escolha dos brinquedos pode ser semanal, para que todos possam brincar com o mesmo brinquedo ao longo da semana;

- Ao escolher os brinquedos, a professora deverá ter em seu planejamento quais habilidades e conhecimentos estarão em jogo;

- Trabalhar valores como: solidariedade, amizade, respeito. Essa é uma atividade COLETIVA que necessita de intervenção e supervisão da professora;

- Peças quebradas ou danificadas devem ser descartadas. Se a criança brinca com peças danificadas entende que isso é "normal". É preciso valorizar o cuidado com o material escolar.

Os jogos mais utilizados na escola são:

QUEBRA-CABEÇA

 De fácil compreensão, pode ser jogado sozinho ou em pequenos grupos. Há oferta de jogos no mercado, porém é possível confeccioná-los utilizando imagens (revistas antigas e material impresso), plastificando com Contact® para maior durabilidade. 
O ideal é que as peças fiquem dentro de um saco, ou caixa, e a quantidade das peças seja identificada para conferência quando for necessário.
Duas regras que devem ser lembradas: não misturar as peças entre quebra-cabeças diferentes e não perder as peças.
Apresento o quebra-cabeça durante a roda de conversa, dando uma peça para cada criança, montando grandes imagens para que percebam a dinâmica do jogo. O jogo que ficará na mesa deverá ter uma imagem como apoio, para que as crianças possam observar e comparar ao montar o quebra-cabeça.
Esse recurso pode ser utilizado para trabalhar conteúdos diversos: quebra-cabeça de nomes, de palavras, de números, de animais, de plantas, etc.

 
O Tangram é um quebra-cabeça muito interessante. 
Se quiser conhecê-lo, clique aqui.


DOMINÓ

As regras são bem específicas e necessitam de maior acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
Pode ser jogado sozinho, mas é preferencialmente um jogo coletivo (grupo de até 4 pessoas). Há oferta no mercado, porém é possível confeccionar utilizando imagens, plastificando com Contact® para maior durabilidade. 
O ideal é que as peças fiquem dentro de um saco, ou caixa, e a quantidade das peças seja identificada para conferência quando for necessário.
Apresento o dominó durante a roda de conversa, dando uma peça para cada criança, para que a turma perceba a dinâmica do jogo.
Esse recurso é utilizado para trabalhar conteúdos diversos: dominó de nomes da turma, de números, de animais, de profissões, etc.


JOGO DE PERCURSO / TRILHA / DE TABULEIRO

 As regras são bem específicas e necessitam de maior acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
É um jogo coletivo (pequenos grupos). Há oferta de jogos industrializados, porém é possível confeccionar, plastificando com Contact® para maior durabilidade. 
O ideal é que as peças fiquem dentro de um saco, ou caixa.
Lembrar às crianças para não perderem as peças.
Colocar as regras impressas em algum lado do tabuleiro, como uma legenda.
Apresento a trilha durante a roda de conversa, jogando com as crianças, para que percebam a dinâmica do jogo.
Esse recurso é utilizado para trabalhar conteúdos diversos, especialmente Matemática, pois desenvolve habilidades numéricas, além de trabalhar com a resolução de problemas. 


JOGO DA MEMÓRIA

 As regras são simples (fazer o pareamento das peças) e necessitam de acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
É um jogo individual ou coletivo (pequenos grupos). Há oferta de jogos industrializados, porém é possível confeccionar as peças, plastificando com Contact® para maior durabilidade. 
O ideal é que as peças fiquem dentro de um saco, ou caixa, e a quantidade das peças seja identificada para conferência quando for necessário.
Lembrar às crianças para não perderem as peças.
Apresento durante a roda de conversa, jogando com as crianças, para que percebam a dinâmica do jogo.
Esse recurso é utilizado para trabalhar conteúdos diversos. 
É um ótimo recurso para desenvolver a memória de curto prazo.


JOGO DA VELHA

 As regras são simples e necessitam de acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
É um jogo para dupla. A maneira tradicional é utilizando papel e lápis.
Pesquisando na internet, há vários modelos desse jogo. As peças utilizadas podem ser sobre algum tema, por exemplo: animais, personagens, etc.
Apresento durante a roda de conversa, jogando com as crianças, para que percebam a dinâmica do jogo.


BOLICHE

 As regras são simples e necessitam de acompanhamento no início, até que os participantes utilizem as regras.
É um jogo individual ou coletivo. As peças utilizadas podem ser confeccionadas com garrafas. Para facilitar a arrumação, marque a posição das garrafas no chão (as crianças arrumam após as jogadas).
Apresento o brinquedo durante a roda de conversa, jogando com as crianças, para que percebam a dinâmica do jogo.
Além da destreza dos movimentos, o boliche permite trabalhar com cálculo mental (adição e subtração), resolução de problemas e confecção de tabelas dos pontos de cada criança. 


BINGO

 As regras são simples e necessitam de acompanhamento no início, até que os participantes as utilizem para jogar.
É um jogo coletivo. As cartelas podem ser confeccionadas. A marcação do que é sorteado pode ser feita marcando a lápis ou com peças (tampinhas, por exemplo).
Há diversas variações para esse jogo, além do tradicional bingo de números. Pode-se fazer cartelas com diversos temas como nomes, cores, formas, cálculos, animais, etc. Bingo sonoro é bem interessante, mas é necessário ter um CD com diversos sons para a reprodução e cartelas com as representações dos sons.
Apresento o jogo durante a roda de conversa para que percebam a sua dinâmica.


JOGOS COM CARTAS

Há vários jogos com cartas que podem ser utilizados com finalidade educativa.
O jogo do MICO tem como objetivo principal a formação de pares:


Com um baralho, podemos jogar a "BATALHA":

BATALHA (este jogo faz parte da minha apostila Brincando com a Matemática )
- Material: baralho de cartas de ÁS a 10.
- Aplicação: um dos jogadores distribui (divide) todas as cartas entre todos. Cada criança arruma sua pilha com as cartas viradas para baixo, sem olhar para as faces numeradas. Os jogadores da mesa (2, 3 ou 4) viram a carta superior da sua pilha e COMPARAM os números. Aquele que virar a carta de quantidade “maior” (número maior) pega todas para si e coloca num monte à parte. Jogar até as pilhas terminarem.
- Se abrirem cartas de mesmo valor, deixar na mesa e virar as próximas do seu monte.
- Vence aquele que pegar o maior número de cartas (estratégias: comparar a altura das pilhas, contar, estimar).



TODOS OS BRINQUEDOS SÃO EDUCATIVOS?
Ivanise Meyer

É possível afirmar que se aprende algo ao brincar? Sim, sempre aprendemos algo ao brincar.
É possível basear todo planejamento em jogos e brinquedos educativos? Não. Eles são recursos, devem ser bem utilizados, mas não devem ser a única forma de trabalhar os conteúdos.
Há brinquedos que permitem muitas possibilidades, outros são mais restritos.
Nos brinquedos educativos (jogos pedagógicos) há regras, formas de brincar, o que diminui as possibilidades de imaginação e de fantasia. Pode ser divertido brincar, mas as regras são necessárias, assim como, um maior auto controle de cada criança ao brincar coletivamente.
Olhando para esses brinquedos da foto acima, posso dizer que sejam educativos? Que mensagem passam às crianças? Há regras? Quais conhecimentos serão necessários? Para qual faixa etária se destinam? São individuais ou coletivos? Todas essas perguntas devem ser feitas pelo professor quando está planejando o uso de um brinquedo com a finalidade educativa no seu fazer pedagógico.
Se uma criança não conhece as regras de como se joga dominó, quando vê as peças faz o quê? Brinca de montar, derruba sobre a mesa, junta, conta... Só não jogará "dominó", porque não houve alguém para mediar esse contato inicial com o jogo.
O que torna um brinquedo educativo (jogo pedagógico), é a intencionalidade do professor. Qualquer jogo ou brinquedo que seja utilizado como recurso precisa ser mediado pelo adulto. Uma vez que a criança compreenda seu uso, ela poderá brincar sozinha ou com seus colegas. Por isso, o professor deve planejar, sabendo quais objetivos serão atendidos com cada recurso escolhido.
Os jogos pedagógicos devem ser apresentados um de cada vez. Durante uma semana, ou mais, as crianças experimentarão, utilizarão as regras, as dúvidas serão resolvidas. Então esse jogo fará parte do seu repertório de brincadeiras.

Organizado por Ivanise Meyer®

9 de ago de 2016

Brinquedos na Escola: Construção


Brinquedos de Construção
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

As brincadeiras de construção têm estreita ligação com o faz-de-conta. Temos os blocos de madeira (ou EVA), de encaixe (tipo "Lego"), materiais de sucata (caixas, rolos, barbantes, etc).
Jogos de construção são os meus preferidos! Porque temos muitas possibilidades de criação com um mesmo material.

Importante: as peças devem ser compatíveis à faixa etária das crianças. 
Quanto menores as crianças, maiores as peças. Cuidado com peças pequenas que possam ser engolidas, enfiadas no nariz ou ouvido.
Não permita que coloquem qualquer peça na boca, por questões de higiene.

Algumas sugestões:

LEGO
Este é um dos brinquedos que mais gosto para ter em sala de aula.
 Há muitas variações (formas e tamanhos) no mercado, inclusive há semelhantes de outras marcas. 
Os originais são bem resistentes, tem ótima durabilidade.
Para saber mais sobre este brinquedo, clique aqui.


LIG LIG
Se você encontrar esse brinquedo, pode adquirir umas 3 caixas! Quanto mais peças, mais divertido. As crianças montam coisas bem interessantes!
Há outros brinquedos com a mesma proposta:
 



PINOS MÁGICOS
As crianças gostam muito desse jogo. 
Dependendo da turma, a partir dos 5 anos (porque as peças são pequenas) é possível oferecer esse brinquedo.


BLOCOS DE CONSTRUÇÃO
Em madeira, esse brinquedo permite muitas possibilidades de criação.


BRINCANDO DE ENGENHEIRO
Brinquedo de madeira que possibilita a construção de cenários. Pode-se acrescentar carrinhos pequenos para incrementar a brincadeira.
Há versões maiores e em outros materiais (para crianças menores):



MATERIAL DE SUCATA
Utilizando caixas de diversos tamanhos, rolos de papel e outros materiais que possam ser utilizados como "brinquedo" sem oferecer riscos, é possível passar momentos bem divertidos.
As crianças podem construir seus brinquedos, ou simplesmente, brincar de empilhar e tudo que a imaginação permitir!
Veja mais sugestões utilizando caixas clicando aqui. 


Há muitas opções de jogos de construção no mercado, porém dependem de investimento. É importante prestar atenção à qualidade das peças e verificar a presença do selo do Inmetro (com as especificações de faixa etária).
Os jogos de construção, além de favorecerem a imaginação e fantasia, permitem às crianças desenvolverem a percepção espacial, trabalhando a capacidade de identificar, representar, compondo formas e figuras tridimensionais.

Organizado por Ivanise Meyer®

Brinquedos na Escola: Introdução

Brinquedos na Escola
~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Quando comecei a trabalhar na Educação Infantil em 1999, sentia necessidades de alguns materiais para organizar a rotina da turma, especialmente, durante os "cantinhos" para brincadeiras com jogos pedagógicos. Porém, naquela época, não havia investimento em compra de bons jogos pedagógicos pela prefeitura. Então, fui adquirindo jogos, aos poucos, conforme era possível. Também consegui doações de brinquedos em condições de uso.

Ao planejar o uso de brinquedos, é importante:

- Ensinar às crianças a brincar: como manusear, cuidados, possibilidades de uso, e guardar em local adequado após o uso;

- Ter uma lista de combinados sobre o uso dos brinquedos na sala;

- Há jogos com regras bem específicas, que devem ser ensinadas pela professora, como por exemplo: dominó, jogo da memória, quebra-cabeça, etc;

- Ter potes, caixas e vasilhas (com tampa), identificados, para que os brinquedos fiquem protegidos da poeira;

- Os brinquedos seguem uma rotina: escolher, conhecer, brincar, arrumar e guardar. Ao trocar de mesa, na escolha de outra atividade, a criança deverá arrumar o brinquedo (não deixar nada espalhado);

- Diversificar os brinquedos: a escolha dos brinquedos pode ser semanal, para que todos possam brincar com o mesmo brinquedo ao longo da semana;

- Ao escolher os brinquedos, a professora deverá ter em seu planejamento quais habilidades e conhecimentos estarão em jogo;

- Trabalhar valores como: solidariedade, amizade, respeito. Essa é uma atividade COLETIVA que necessita de intervenção e supervisão da professora;

- Peças quebradas ou danificadas devem ser descartadas. Se a criança brinca com peças danificadas entende que isso é "normal". É preciso valorizar o cuidado com o material escolar.

É muito triste entrar numa sala e encontrar "restos" de brinquedos, muitas vezes danificados, todos misturados em uma caixa, com as crianças brincando do "jeito que dá". São as "gambiarras" que passam ideias equivocadas sobre o brincar. Em geral, é comum perceber que a professora não planejou esse momento, é apenas uma "atividade preenchedora de tempo." As crianças brincam e ela aproveita para fazer outra coisa, menos observar ou interferir nesse momento tão precioso.

Particularmente, não deixo que as crianças tragam brinquedos de casa para a escola. Explico aos responsáveis na reunião inicial os motivos: 1) o brinquedo que vem de casa pode ser motivo de conflito entre as crianças; 2) responsabilizar a professora pela quebra ou dano do brinquedo; 3) responsabilizar outra criança da turma pela quebra ou dano. O brinquedo que pertence à escola (ou à professora) é emprestado, ou seja, precisa ser compartilhado e causa bem menos conflito.
Não promovo nem o tal "dia do brinquedo" feito em algumas escolas, porque os problemas serão os mesmos já apontados.

Organizado por Ivanise Meyer®


As próximas postagens sobre BRINQUEDOS NA ESCOLA trarão mais exemplos.

Já escrevi uma postagem sobre a Organização da Sala de Aula se quiser ler sobre os cantinhos. 

Esta postagem está baseada na postagem Brincar na Educação Infantil. 

Sugestão do Baú: Porta Letras

Porta Letras
~~~~~~~~~~~~
Essa sugestão serve para organizar as letras utilizadas no alfabeto móvel.
Utilizo essas letras em EVA (pode ser em plástico, madeira ou cartolina) para escrita espontânea ou dirigida.

Quando colocava muitas letras sobre uma mesa para que as crianças procurassem, percebia alguns probleminhas: perda das letras, letras que caíam no chão, a criança desistia de procurar, além de ser muita informação para uma criança que ainda não identificava as letras do alfabeto.

Em 2009, tive essa ideia que apresento nessa postagem. Utilizei formas (de gelo) para fazer de "porta letras".

É importante dar orientações iniciais para todos (durante a "roda de conversa"):
- Explicar para que serve o "porta letras";
- Mostrar que cada letra "mora" numa divisão;
- Mostrar que há letras escritas em cada divisão;
- Formar uma palavra na frente das crianças, para que entendam o uso do material;
- Explicar que as palavras são "escritas" com o alfabeto móvel, da esquerda para a direita, uma letra de cada vez;
- Combinar que as letras deverão voltar para o MESMO lugar após cada escrita.

É claro que algumas letras poderão estar fora do lugar após o uso. Você poderá trabalhar isso também! Depois que utilizarem, fazer uma roda para conferir se as letras voltaram para os lugares corretos. Caso alguma esteja fora do lugar, aproveite para perguntar:
- O que podemos fazer para corrigir isso?
 Espere suas hipóteses de solução, convide alguma criança para ajudar a colocar a letra no lugar correto.
Depois de algumas intervenções, as crianças estarão mais familiarizadas com o "porta letras".

Lembre: a criança aprende a ser organizada se VOCÊ ensinar. Caso não haja intervenção nesse sentido, como aprenderão?


Comprei duas formas para gelo, escrevi as letras dentro de cada divisão (de todos os 4 lados para permitir a visualização) com caneta marcadora.

Aqui a mesma ideias com letras impressas em cartolina.

♥♥♥

Essa foto eu copiei da internet. É uma caixa plástica, com divisões.
Dá para improvisar com uma caixa de papelão, fazendo as divisórias.

Organizado por Ivanise Meyer®

2 de ago de 2016

Sugestões para o Dia dos Pais

Postei várias sugestões para o DIA DOS PAIS
 em um álbum na página do Baú de Ideias no Facebook. 
São imagens recolhidas da internet de vários sites e blogs.

Para ver as sugestões na página do Baú no Facebook, clique aqui.
Para ver as sugestões no Baú de Ideias, clique aqui.
Para ver as sugestões de vídeos, clique aqui.
Para ver mensagens, clique aqui.

Organizado por Ivanise Meyer®

1 de ago de 2016

Cartão para o Dia dos Pais

Cartão para o
Dia dos Pais
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Este ano fiz este cartão inspirada no modelo
 da amiga e educadora Sonia Ubeda.

"Maleta de Ferramentas"
Materiais: cartolina preta, azul (para as alças), impressão da mensagem, cola e tesoura.

Como fazer:
- Imprimir a mensagem em folha A4.
- A criança faz o seu desenho ao lado da mensagem e pinta as ferramentas (use cores claras).
- Cortar a maleta (18 X 22 cm) e dobrar no meio. Colar as alças.
- Colar uma etiqueta na frente da maleta.
- Colar a mensagem.
- A maleta (cartão) pode ser colocada em saco de papel celofane e amarrada com fitilho.

Texto do cartão:

PAPAI,
OBRIGADO POR VOCÊ...
ME ENSINAR A USAR ESSAS FERRAMENTAS.

♥♥♥
Medidas no meu Picasa:

♥♥♥





Organizado por Ivanise Meyer®

29 de jul de 2016

Dia dos Pais (cartão)

Dia dos Pais
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Sugestão: CAMISA
..............................
Materiais: cartolina, retalho de papel de presente (gravata), lápis de cera (ou outro material para colorir), tesoura e cola.
Como fazer: Cortar nos lugares marcados e dobrar formando a "gola".
Pintar e decorar a camisa.
Colar a gravata fechando a gola.
Pode ser: cartão (escrever atrás), capa de livrinho, porta-caneta (cortar na altura do bolso com estilete e prender uma caneta).

Molde da camisa (em meia folha de papel A4).
Molde da gravata.


Sugestão: CARTÃO AMO VOCÊ
.................................................


Materiais: figuras impressas (menino e menina), cartão impresso, lápis de cor para pintar, tesoura e cola.
Como fazer: Cada criança pinta o seu boneco.
Recortar, dobrar os bracinhos e colar na frente do cartão.
O boneco fica com os bracinhos dobrados. Quando se desdobra aparece a frase:
AMO VOCÊ.
Pode-se escrever PAPAI na parte debaixo do cartão (ou imprimir).
Molde do menino e da menina.


Na frente está escrito:
TENHO UM SEGREDINHO
PARA TE CONTAR...
Veja mais sugestões e a oração que está neste cartão em:
♥♥♥
Organizado por Ivanise Meyer®

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...