22 de jun de 2016

Linguagem 3: Formando Palavras (jogo de leitura)

"FORMANDO PALAVRAS"
Criação: Ivanise Meyer

* Peças: Envelope com 4 figuras, 4 tiras com as palavras, as sílabas e as letras das respectivas palavras. Esse jogo dá para 7 grupos de 4 crianças. Na foto estão as peças de 1 envelope (são 28 palavras).
* Objetivos: Diferenciar desenho, palavra, sílaba e letra. Ler as palavras e associar aos desenhos. Decompor as palavras em sílabas e posteriormente em letras. Analisar as relações entre palavra/sílaba/letra. Discutir com o grupo as estratégias de leitura/escrita. Este jogo possibilita analisar a palavra/sílaba/letra (decomposição) ou letra/sílaba/palavra (composição). Dependerá da necessidade da turma.
* Como jogar (decomposição): Abrir o envelope e separar as figuras, as palavras, as sílabas e as letras. Organizar as figuras e a decomposição (logo abaixo da figura).
Exemplo:
BEBÊ
BE - BÊ
B - E - B - Ê
* Sugiro como desdobramentos:
a) Com o mesmo jogo, usando apenas as figuras, as palavras/sílabas/letras serão escritos pelas crianças.
b) Em outro dia, pode-se fornecer o material para que os grupos confeccionem um outro jogo fazendo os desenhos e escrevendo as palavras/letras/sílabas
c) Escrita das regras do jogo.
* Não se esqueça: observar os grupos, interferindo se necessário, pois as crianças podem ser de níveis de construção de escrita diferentes.

21 de jun de 2016

Festa Junina: Cantigas e Quadrilha



Cantigas
................................

1. Cai, Cai, Balão
Cai, cai, balão!
Cai, cai, balão!
Na rua do sabão
Não cai não! Não cai não! Não cai não!
Cai aqui na minha mão !
Cai, cai, balão!
Cai, cai, balão!
Aqui na minha mão
Não vou lá! Não vou lá! Não vou lá!
Tenho medo de apanhar !

♥♥♥

2. Capelinha de Melão

Capelinha de melão
É de São João
É de cravo, é de rosa
É de manjericão
São João está dormindo
Não acorda, não
Acordai, acordai! Acordai, João!

Para saber a explicação sobre o que é uma "capelinha de melão"
clique aqui.


♥♥♥


3. Pula a Fogueira 
(de Getúlio Marinho e João B. Filho)

 
Pula a fogueira, Iaiá!
Pula a fogueira, Ioiô!
Cuidado para não se queimar
Olha que a fogueira
Já queimou o meu amor!
Nesta noite de festança
Todos caem na dança
Alegrando o coração
Foguetes, cantos e troça
Na cidade e na roça
Em louvor a São João
Nesta noite de folguedo
Todos brincam sem medo
A soltar seu pistolão
Morena flor do sertão
Quero saber se tu és
Dona do meu coração.

♥♥♥

4. Sonho de Papel 
(música de Alberto Ribeiro)

E um balão vai subindo
Vem caindo a garoa
O céu é tão lindo
E a noite é tão boa!
São João! São João!
Acende a fogueira
No meu coração
Sonho de papel
A girar na imensidão
Soltei em teu louvor
Um sonho multicor
Ó meu São João!

♥♥♥

5. Chegou a hora da fogueira
(Lamartine Babo)

Chegou a hora da fogueira
É noite de São João
O céu fica todo iluminado
Fica o céu todo estrelado
Pintadinho de balão
Pensando no caboclo a noite inteira
Também fica uma fogueira
Dentro do meu coração
Quando eu era pequenino
De pé no chão
Eu cortava papel fino
Pra fazer balão
E o balão ia subindo
Para o azul da imensidão
Hoje em dia o meu destino
Não vive em paz
O balão de papel fino
Já não sobe mais
O balão da ilusão
Levou pedra e foi ao chão


♥♥♥


Quadrilha
................
Em quase todo o Brasil, a quadrilha é dançada por um número par de casais e a quantidade de participantes da dança é determinada pelo tamanho do espaço que se tem para dançar. A quadrilha é comandada por um marcador, que orienta os casais, usando palavras afrancesadas e portuguesas. Existem diversas marcações para uma quadrilha e, a cada ano, vão surgindo novos comandos, baseados nos acontecimentos nacionais e na criatividade dos grupos e marcadores.
A marcação apresentada a seguir é uma das mais tradicionais e simples.
Os comandos mais utilizados são (podem ocorrer variantes dependendo da região):
BALANCÊ (balancer) - Balançar o corpo no ritmo da música, marcando o passo, sem sair do lugar.E usado como um grito de incentivo e é repetido quase todas as vezes que termina um passo. Quando um comando é dado só para os cavalheiros, as damas permanecem no BALANCÊ. E vice-versa.
ANAVAN (en avant) - Avante, caminhar balançando os braços.
RETURNÊ (returner) - Voltar aos seus lugares.
TUR (tour) - Dar uma volta: Com a mão direita, o cavalheiro abraça a cintura da dama. Ela coloca o braço esquerdo no ombro dele e dão um giro completo para a direita.



Para acontecer a dança
é preciso seguir os seguintes passos:

01. Forma-se uma fileira de damas e outra de cavalheiros.Uma, diante da outra, separadas por uma distância de 2,5m. Cada cavalheiro fica exatamente em frente à sua dama. Começa a música.
BALANCÊ é o primeiro comando.
02. CUMPRIMENTO ÀS DAMAS OU "CAVALHEIROS CUMPRIMENTAR DAMAS": Os cavalheiros, balançando o corpo, caminham até as damas e cada um cumprimenta a sua parceira, com mesura, quase se ajoelhando em frente a ela.
03. CUMPRIMENTO AOS CAVALHEIROS OU "DAMAS CUMPRIMENTAR CAVALHEIROS: "As damas, balançando o corpo, caminham até aos cavalheiros e cada uma cumprimenta o seu parceiro, com mesura, levantando levemente a barra da saia.
04. DAMAS E CAVALHEIROS TROCAR DE LADO: Os cavalheiros, de mãos dados, dirigem-se para o centro. As damas fazem o mesmo. Ao se aproximarem, todos se soltam.Com os braços levantados, giram pela direita. Soltam-se as mãos, dirigem-se ao lado oposto. Os cavalheiros, de mãos dados, vão para o lugar antes ocupado pelas damas. E vice-versa,
05. PRIMEIRAS MARCAS AO CENTRO: Antes do início da quadrilha, os pares são marcados pelo no. 1 ou 2. Ao comando "Primeiras marcas ao centro , apenas os pares de vão ao centro, cumprimentam-se, voltam, os outros fazem o "passo no lugar . Estando no centro, ao ouvir o marcador pedir balanceio ou giro, executar com o par da fileira oposta. Ouvindo "aos seus lugares , os pares de no. 1 voltam à posição anterior. Ao comando de "Segundas marcas ao centro , os pares de no. 2 fazem o mesmo.
06. GRANDE PASSEIO: As filas giram pela direita, se emendam em um grande círculo. Cada cavalheiro dá a mão direita à sua parceira. Os casais passeiam em um grande círculo, balançando os braços soltos para baixo, no ritmo da música.
07. TROCAR DE DAMA: Cavalheiros à frente, ao lado da dama seguinte. O comando é repetido até que cada cavalheiro tenha passado por todas as damas e retornado para a sua parceira.
08. TROCAR DE CAVALHEIRO: O mesmo procedimento. Cada dama vai passar portadas os cavalheiros até ficar ao lado do seu parceiro.
09. O TÚNEL: Os casais, de mãos dados, vão andando em fila. Pára o casal da frente, levanta os braços, voltados para dentro, formando um arco. O segundo casal passa por baixo e levanta os braços em arco. O terceiro casal passa pelos dois e faz o mesmo. O procedimento se repete até que todos tenham passado pela ponte.
10. ANAVAN TUR: A doma e o cavalheiro dançam como no Tour(passeio em iportuguês). Após uma volta, a dama passa a dançar com o cavalheiro da frente. O comando é repetido até que cada dama tenha dançado com todos os cavalheiros e alcançado o seu parceiro.
11. CAMINHO DA ROÇA: Damas e cavalheiros formam uma só fila. Cada dama à frente do seu parceiro. Seguem na caminhada, braços livres,balançando. Fazem o BALANCË, andando sempre para a direita.
12. OLHA A COBRA: Damas e cavalheiros, que estavam andando para a direita, voltam-se e caminham em sentido contrário, evitando o perigo.Vários comandos são usados para este passo: "Olha a chuva , "Olha a inflação , Olha o assalto , "Olha o (cita-se o nome de um político impopular na região). A fileira deve ir deslizando como uma cobra pelo chão.
13. É MENTIRA: Damas e cavalheiros voltam a caminhar para a direita. Já passou o perigo. Era alarme falso.
14. CARACOL: Damas e cavalheiros estão em uma única fileira. Ao ouvir o comando, o primeiro da fila começa a enrolar a fileira, como um caracol.
15. DESVIAR: É o palavra-chave para que o guia procure executar o caracol, ao contrário, até todos estarem em linha reta.
16. A GRANDE RODA: A fila é único agora, saindo do caracol. Forma-se uma roda que se movimenta, sempre de mãos dados, à direita e à esquerdo como for pedido. Neste passo, temos evoluções. Ouvindo "Duas rodas, damas para o centro ; as mulheres vão ao centro, dão as mãos.Na marcação "Duas rodas, cavalheiros para dentro , acontece o inverso, As rodas obedecem ao comando,movimentando para a direita ou para esquerda. Se o pedido for "Damas à esquerda e "Cavalheiros à direita ou vice-versa, uma roda se desloca em sentido contrário à outra, seguindo o comando.
17. COROAR DAMAS: Volta-se à formação inicial das duas rodas, ficando as damos ao centro. Os cavalheiros, de mãos dados, erguem os braços sobre as cabeças das damas. Abaixam os braços, então, de mãos dados, enlaçando as damas pela cintura. Nesta posição, se deslocam para o lado que o marcador pedir.
18. COROAR CAVALHEIROS: Os cavalheiros erguem os braços e, ao abaixar, soltam as mãos. Passam a manter os braços balançando, junto ao corpo. São as damas agora, que erguem os braços, de mãos dados, sobre a cabeça dos cavalheiros. Abaixam os braços, com as mãos dados, enlaçando os cavalheiros pela cintura. Se deslocam para o lado que o marcador pedir.
19. DUAS RODAS: As damas levantam os braços, abaixando em seguida. Continuam de mãos dados, sem enlaçar os cavalheiros, mantendo a roda. A roda dos cavalheiros é também mantida. São novamente duas rodas, movimentando, os duos, no mesmo sentido ou não, segundo o comando. Até a contra-ordem!
20. REFORMAR A GRANDE RODA: Os cavalheiros caminham de costas, se colocando entre os damas. Todos se dão as mãos. A roda gira para a direita ou para a esquerda, segundo o comando.
21. DESPEDIDA: De um ponto escolhido da roda os pares se formam novamente, Em fila, saem no GALOPE, acenando para o público. A quadrilha está terminada.



Nas Festas Juninas Mineiras, após o encerramento da quadrilha,
 os músicos continuam tocando e o espaço é liberado para os casais que queiram dançar.


Oi!
Aproveite esta época para relembrar as tradições juninas.
Em todo Brasil há comemorações de acordo com cada região.
Nosso folclore é muito rico e
vale à pena trazê-lo para o contexto escolar.
Organizado por Ivanise Meyer®

19 de jun de 2016

Leitura e Resistência


LEITURA E RESISTÊNCIA
Ontem voltei ao Salão FNLIJ do Livro, se pudesse iria todos os dias, pois lá se "respira" literatura, e isso me faz um bem danado de bom!!!
No Salão posso ver de pertinho pessoas que admiro no mundo literário. Conversar, pedir um autógrafo, tirar uma foto! Ver também que são pessoas famosas em suas áreas de atuação, mas que são seres como todos nós, com suas vidas e questionamentos.
Nas duas vezes, percebi o salão "esvaziado". Menos estandes, menos editoras. Culpa da crise? Culpa do momento econômico?
O governo federal reduz drasticamente a compra de livros literários para as escolas públicas. Editoras fecham. Livros ficam nas gavetas esperando serem publicados. A produção literária nacional sente na pele os efeitos dessa soma de fatores.
Durante meu almoço (porque passo o dia todo lá), sentei à mesa onde estava Elizabeth Serra (que só conhecia "de nome"), ela me perguntou sobre as minhas compras, comentei que era professora da rede municipal... No meio de nossa conversa, ela me disse algo que ficou ecoando até agora:
- "Este é o Salão da Resistência. Ao invés de dizer que pena só estão 30 editoras, eu digo que bom, temos 30 editoras aqui!"
SALÃO DA RESISTÊNCIA. Ler é um ato de resistência. Literatura é a arte da palavra. Arte é resistência. Porque resistir é difícil, mas não é impossível. A escola é lugar de resistência, a sala de leitura é lugar de resistência, a sala de aula também... A crise está aí, ela é MUNDIAL, basta assistir ou ler bons noticiários. Chegou até aqui e temos que resistir. Continuar defendendo nossos ideais. Continuar a estudar, qualificando nossa prática. E principalmente, continuarmos a LER.
Desde que comecei em sala de aula, 1988, garimpava livros em editoras que davam "cortesia" (isso foi acabando), depois comprava livros em promoção (era o que meu dinheiro permitia). Sempre buscando bons livros para oferecer aos meus alunos que não possuíam NENHUM livro literário em casa. Sempre tive um "cantinho de leitura" na sala. Livros, revistas, gibis, tudo que pudesse ser lido.
Não me lembro mais qual foi meu primeiro Salão do Livro, mas recordo de ter ido ao MAM, à Zona Portuária, e ultimamente, no SulAmérica. Economizava um pouco todo mês para comprar meus livros de literatura infantil. Todas as editoras num só lugar? Isso era um sonho realizado! Faço isso até hoje.
Quando me perguntam: - Você está comprando para a escola? Eu respondo toda orgulhosa: - Não. São para o meu uso em sala com meus alunos.
Isso para mim é motivo de orgulho. Amo literatura infantil! Antes de ser meu "material de trabalho", é o que gosto de ler e estudar.
As escolas públicas do município do Rio de Janeiro possuem um ótimo acervo literário seja pelas compras feitas com as verbas (que deveriam ser bem MAIORES!), seja pelos livros do PNBE (Programa Nacional Biblioteca na Escola) enviados pelo governo federal. Porém, é necessário que estes livros cheguem até às crianças! Especialmente, que o professor LEIA com e para elas. Que inclua em seu planejamento, a leitura de livros literários, não como um mero "preenchimento de tempo", mas como forma de ampliação da experiência leitora de cada ALUNO.
Há livros pelas escolas. Muitos livros. Todos eles esperando serem abertos e "degustados" por pequenos e jovens leitores. Não importa que seja uma leitura compartilhada, leitura de imagens, leitura autônoma. LER É UM ATO DE RESISTÊNCIA.
Se Deus me permitir, estarei no próximo Salão FNLIJ do Livro em 2017.
Enquanto espero, tenho uma bolsa cheia de livros esperando por nós (eu e minhas crianças).
Ivanise Meyer

PS: Corrigi o texto original que escrevi ontem (19/06/16).

12 de jun de 2016

Visita ao 18.º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens


Este é um evento que amo!!! Sempre que posso marco presença, não apenas para adquirir novos livros, mas para conhecer as novidades no mundo da literatura infantil.
 O país homenageado este ano é a Espanha.

Nesta foto há várias publicações do livro "Dom Quixote".

Fui com minha irmã Ione Rezende, que também é professora e está com turma de 1.º ano.
Passamos o dia todo lá, fazendo o que mais gostamos!!! 
Fizemos também nossas "paradas básicas" para descansar as pernas da maratona! Café, almoço e lanche literários! 
Mas, vale muito à pena!!!

Às 11 horas, assistimos a apresentação do André Neves no espaço do ilustrador.
Ele estava explicando a diferença entre desenho e ilustração.


No estande da Ed. Paulinas, conheci o autor Fábio Monteiro do livro "A menina que contava" (ilustrado pelo André Neves) e conversamos sobre Educação Especial. Muito simpático, amei conhecê-lo! 

Às 13 horas, fomos assistir ao lançamento do livro "Kalinda, a princesa que perdeu os cabelos, e outras histórias africanas" do Celso Sisto. As crianças fizeram muitas perguntas! Descobri que este é seu 80.º livro e o 10.º sobre histórias africanas.

Fã do Celso desde 2002, quando o conheci em uma oficina de contadores de histórias.
Perguntei se poderia levar outros livros que tinha em casa, ele respondeu: - Traga todos!
Levei os do coração: "Mãe África" e o "Rosalva mãos de fada" e ele foi super amável fazendo um autógrafo personalizado em cada um. Não é para amar muito?!

Às 16 horas, assistimos Leo Cunha no Espaço FNLIJ de Leitura lançando seu livro "Uni duni tê, conto eu, conte você!" (Ed. Autêntica). Ele falou também do seu livro "As fantásticas aventuras da vovó moderna" (Companhia das Letrinhas), este da foto.

Muito bom revê-lo depois de tanto tempo!
Conheci o Leo Cunha em um programa Salto para o Futuro, em 2006, onde participamos a convite da prof.ª Patrícia Corsino (UFRJ).

Ziraldo se apresentando na Biblioteca FNLIJ/Petrobras para Jovens


 
Presente da minha irmã!!! 
"Coração não toma sol" do Bartolomeu Campos de Queirós (FTD).

Brindes da editora FTD


Hora de partir...
Este ano, fomos "motorizadas"! Levamos nosso carrinho e ele nos livrou de carregar bolsas e sacolas nos ombros (que a tendinite não nos permite mais...).
Muito bom ver as obras, conhecer seus autores de pertinho (ter seus autógrafos para mostrar às crianças), estar um dia todo dedicado ao que amamos: literatura infantil.
Não estamos mais em Sala de Leitura, que por coincidência ou destino, tivemos que sair no ano passado. Porém, da mesma maneira (escritos de Deus?), estamos com turmas de 1.º ano e temos muitas histórias e poesias para contar e encantar!
O que aprendemos nos cursos da FNLIJ, promovidos pela Mídia/SME, além da nossa formação pessoal e profissional, será utilizado em nossas aulas. Pois continuamos PROFESSORAS e amamos literatura infantil.
Acreditamos no poder da literatura!


♥♥♥

Bem-vindos, a minha estante!
Em breve, muitas crianças conhecerão suas histórias...


Atualização (18/6/2016)

Apresentação de Mary França e Eliardo França (18/6/2016)

Não poderia perder o "Encontros Paralelos FNLIJ / Petrobras"
 para aprender mais sobre Machado de Assis com o escritor Luiz Antonio Aguiar

Meu autógrafo do Luiz Antônio Aguiar.

Luiz Antonio Aguiar e Elizabeth Serra no "Encontros Paralelos FNLIJ / Petrobras"


Brindes de 18/6/2016 
Melhoramentos: papéis para anotação; Companhia das Letrinhas: bloquinho e esse livro do Drummond; Encontros Paralelos: bloquinho e um livro.

Bem-vindos, a minha estante!
Em breve, muitas crianças conhecerão suas histórias...

Organizado por Ivanise Meyer®

18.º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens

De 8 a 19 de junho de 2016

De 8 a 19 de junho de 2016

Centro de Convenções SulAmérica
Av. Paulo de Frontin, 1
Cidade Nova, Centro, Rio de Janeiro

Horário

Segunda a sexta | 8h30 às 17h
Sábados e domingos | 10h às 18h

Ingresso

Ingresso: R$ 6,00

Gratuidade para maiores de 60 anos, portadores de deficiência, professores da rede municipal do RJ e instituições que trabalham com crianças e jovens de comunidades de baixa renda, pré-agendadas com a FNLIJ.



18.º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens este ano ocorrerá entre os dias 8 e 19 de junho, no mesmo local: Centro de Convenções SulAmérica, Centro do Rio de Janeiro. O evento, patrocinado pela Petrobras desde 2001 e com apoio da Prefeitura do Rio, por meio das Secretarias Municipais de Educação, de Cultura e de Turismo, promoverá o 18º Seminário FNLIJ Bartolomeu Campos de Queirós, encontros com escritores, lançamentos de livros, performances de ilustradores e palestras com autores e especialistas em literatura infantil e juvenil. O Salão FNLIJ contará com três bibliotecas específicas para cada público (bebê, criança e jovem), além do Espaço FNLIJ de Leitura e do Espaço Petrobras do Ilustrador.
A edição deste ano receberá como país convidado a Espanha, e contará com a participação de escritores, ilustradores e especialistas, que traçarão um panorama da literatura infantil e juvenil do país.
Organizado por Ivanise Meyer®

8 de jun de 2016

Linguagem 49: Produção Oral de Texto Escrito


Produção Oral de Texto Escrito
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

       Gosto muito desse livro! Suas imagens trazem uma história com imagens que narram um dia na vida de uma criança.
        Após a apresentação do livro “Curumim e o Passarim” para visualização da história, as crianças foram convidadas a criar frases de acordo com cada página. O texto foi escrito pela professora, lido com as crianças e revisado buscando coesão e coerência.
         Para montagem do “livro” de reconto, utilizamos as mesmas figuras e as crianças transcreveram o texto criado.
       Os objetivos principais foram: a) ler um “livro de imagem” compreendendo a narrativa visual; b) produzir oralmente um texto com destino escrito a partir das imagens; c) perceber a sequência temporal; d) conhecer costumes indígenas; e) valorizar a natureza e o convívio com animais.
        
         Este livro fará parte do acervo da turma no “Cantinho de Leitura”.

Apresentação e lista com os nomes dos "autores" do texto

CURUMIM  É  UM  MENINO.
CURUMIM  ACORDA  DE  MANHÃ.
CURUMIM VÊ  O  PASSARINHO.
PASSARINHO  LEVA  UMA FLOR NO BICO.

CURUMIM COLOCA UMA FLOR NA BOCA.
PASSARINHO SOBE NA CABEÇA DO MENINO.

CURUMIM SOBE NA ÁRVORE.
PASSARINHO SOBE TAMBÉM.
CURUMIM FAZ UM CESTO.
PASSARINHO FAZ UM NINHO.

CURUMIM PESCA OS PEIXES
PASSARINHO CAÇA MINHOCA.

CURUMIM LEVA OS PEIXES.
PASSARINHO LEVA A MINHOCA.

CURUMIM DORME NA REDE.
PASSARINHO DORME NO NINHO.
FIM


♥♥♥

Esta atividade pode ser realizada com qualquer livro de imagens, pois possibilita a narração oral que pode ser transcrita pelo professor diante dos alunos no quadro ou em uma cartolina. Este texto é revisado, lido e discutido com as crianças, até sua versão final.
É importante que a versão final possa ser compartilhada com todos da turma. No exemplo acima, as frases foram copiadas pelas crianças e organizei um "livro" para o Cantinho de Leitura.
O texto também foi colado no Caderno de Leitura da turma.

Organizado por Ivanise Meyer®

Linguagem 48: Silabário Individual

Elaborei um silabário para cada criança ter o seu material de "consulta".
Imprimi usando o Word, essa folha (acima) dobrada na metade e plastifiquei para ter maior durabilidade. Ficou do tamanho de metade de uma folha A4.
Essas imagens são um "print" do arquivo.

Silabário

Tipos de alfabeto

Tabela numérica

Organizado por Ivanise Meyer®
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...